Conecte-se agora
acesse vila rica

CULTURA

MÚSICA CAIPIRA: Anunciadas as inéditas que disputam o Canta Violeiro em Cunha

Publicado

em

(Arte: Marcos Ivan, Canal39

Organizadores destacam qualidade das composições e anunciam programação dos 3 dias do 6º Festival Canta Violeiro de Cunha, um dos melhores da Região, este ano junto com a Festa Gastronômica da Truta

O criterioso especialista em música caipira, Julio Cesar Santin, presidente da Associação Cultural Caipirapuru, teve muito trabalho para selecionar as 20 obras para a edição 2018 do Festival Canta Violeiro de Música Caipira Inédita, realizada pela Associação Viola Caipira de Cunha e Prefeitura da Estância Climática de Cunha.

Maria Cristina Paniza

Segundo Maria Cristina Paniza, coordenadora do festival e presidente da Associação Viola Caipira, Santin é um amante da música raiz e, realmente, se debruça sobre o material enviado pelos inscritos, tratando a todos com iguais cuidados. “ Ele é muito cuidadoso, principalmente quanto ao ineditismo das músicas e letras, evitando a possibilidade de questionamentos por conta de possíveis plágios”, afirma Cristina.

Aberto, por meio de Edital apropriado, o Canta Violeiro reúne, na Praça da Matriz de Cunha, concorrentes do Vale do Paraíba (Cachoeira Paulista, Campos do Jordão, Cunha, Lagoinha, Lorena, São José dos Campos e Tremembé); mineiros de Conceição dos Ouros, Pouso Alto, Monte Sião, Elói Mendes e Uberlândia; São Paulo (Capital), Cotia, Campinas, Ribeirão Preto; Campo Grande (MS).

VEJA, AS COMPOSIÇÕES SELECIONADAS PARA ESTE IMPORTANTE FESTIVAL:

Ao todo foram 25 inscritos, sendo selecionados 20.

Na quinta-feira, 15, primeira eliminatório, com 10 candidatos. Na sexta-feira, 16, os outros 10 se apresentam para avaliação dos jurados.

Sábado, 17, grande final, com os dez selecionados nas duas eliminatórias, sendo escolhidos os 3 primeiros colocados e os ganhadores dos prêmios de melhor música/letra de Cunha, melhor intérprete e aclamação popular.

A história de um doutor – Carlos Viola (Carlos Antunes Pereira) (Conceição dos Ouros-MG)

As mágoas de um caboclo – José Vanderlei Alves (Campos do Jordão/SP)

Belezas do meu sertão – Benedito Goulart (Eloi Mendes –MG)

Boas lembranças – Jorge Faustino (Lagoinha/SP)

Canta, violeiro! – Joffre Luiz Silva Capucho (Lorena/SP)

Cavaleiro Solitário – Carlos Eduardo Amaral Barbosa (São Paulo/SP)

Desabafo – Sr.Anézio Luis dos Santos (Neneco) (Lagoinha-SP)

Festa no céu – Rafael Henrique e Gustavo Neto (Campo Grande/MS)

Fivela de Alpaca – Marcos Violeiro (Marcos Cândido Leal) (Monte Sião/MG)

Lombo de um caminhão – Donisete de Carvalho Rodrigues (Cachoeira Paulista/SP)

Meu desabafo – Vicente Pereira (Simonito) (São José dos Campos/SP)

Minha história – Francisco Benedito Sales (Chiquinho) (Cunha-SP)

Pirapora – Matheus Querino (Pouso Alto/MG)

Recado ao sertanejo – Matthias Martins Zaeslin (São Paulo/SP)

Rio Bonito – Cícero Gonçalves dos Santos e Adriano Roberto Moreira Rosa (São Paulo/SP)

Sabiá Preta – Alvaro Láercio II e Gerson Ramos (Cotia-SP)

Tá no sangue – Nelson José da Silva (Campos do Jordão/SP)

Um carro de boi – Betto Ponciano (São Paulo/SP)

Vida de pobre – Teddy Berrante (Odair Ribeiro das Neves Filho) (Tremembé – SP)

Viemos do interior – Paulo César Giordani (Ponte Serrada/SC)

Viola de Aroeira – Luiz Carlos da Silva Lima (Uberlândia/MG)

COMO VAI SER?

O 6º Canta Violeiro acontece em 3 dias de evento, com bons prêmios para os três primeiros colocados, além de premiação para melhor intérprete, melhor música/letra de compositores cunhenses e prêmio para a obra escolhida por aclamação.

Durante os três dias de evento, no período da tarde (das 13h às 16h), o artista Tarcísio Manuvéi ministrará oficina de violas, durante a qual ensinará como os violeiros podem melhor se preparar para uma apresentação em público (comunicação, performance, postura em palco, domínio das técnicas de tocar viola caipira, afinação, ritmo, montagem de repertório, etc.

Dessa oficina de 3 dias deve sair o grupo de violeiros que fará o show de encerramento do Canta Violeiro.

SHOWS

DIA 15

13:00 até as 16:00 – Oficina de Música Caipira

15:00 – apresentação da Catira de Cunha

16:30 – apresentação da Roda de Violas

19:30 – apresentação dos 10 (dez) inscritos selecionados para este dia

Após as apresentações dos candidatos teremos show musical com Edilson Santos, violeiro cunhense, iniciou carreira no nosso projeto Violas na Praça, atualmente estudando no Conservatório de Tatuí.

DIA 16

10:00 –varal fotográfico de Renate Eslinger e Arpad Cserep (somente com tempo seco)

13:00 até as 16:00 – oficina de música caipira

16:30 – apresentação da roda de violas

19:30 – apresentação dos 10 (dez) inscritos selecionados para este dia

Após as apresentações dos candidatos teremos show musical com a dupla Arnaldo Freitas e Jamil Scatena e com os músicos Emerson e Celso que farão parceria nessa noite.

DIA 17

13:00 até as 16:00 – Oficina de Música Caipira
16:00 – Apresentação do Coral Bem te canto
17:00 – Apresentação da Roda de Violas
19:30 – apresentação dos 10 (dez) finalistas, cuja ordem de entrada no palco será sorteada com antecedência
Após as apresentações dos candidatos teremos show musical com os violeiros que fizeram as oficinas de música caipira e, após o show, será divulgado o resultado do festival e feita a premiação dos 3 (três) primeiros colocados e os prêmios de melhor letra/música de Cunha; de melhor intérprete e de aclamação popular. O encerramento do 6º Festival de Música Caipira será após a premiação.

FESTA DA TRUTA PÕE MAIS SABOR AO EVENTO

O 8º Festival Gastronômico da Truta acontecerá de 14 a 20/novembro de 2018.

A abertura das barracas no dia 14/Nov será as 18:00 h às 23h:00.

Demais dias das 13:00 às 23:00.

Local dos eventos: Praça da Matriz

DIA 18 de novembro

15:00 até as 16:00 – Apresentação de Congada

20:00 – Aula Show – preparação de um prato a base de truta pelos chefs Caio e André.

21:00 – apresentação musical de Jan Fagundes e Altayr & Banda

DIA 19 – 20:00 – apresentação musical de Otavio Solo MPB e Raiz.

Cristina Paniza destaca a importância de dois eventos em uma única oportunidade: “A fusão destes dois eventos em um mesmo espaço, na praça da matriz de Cunha, conseguirá atrair maior número de visitantes para a cidade. Teremos a atenção do público  para as raízes de Cunha, cidade serrana que conserva suas tradições, entre elas a música caipira.  Além da boa comida cujo prato principal será a truta, espécie que se dá muito bem em climas mais frios e é apreciada por muita gente daqui e, também, por turistas”, explica.

Com o apoio da Prefeitura Municipal da Estância Climática de Cunha, desde fevereiro de 2010 acontece o projeto Violas na Praça, o qual vem resgatando o cancioneiro popular através de apresentações semanais, aos sábados, em praça pública. O principal objetivo é oferecer aos jovens o acesso a esta alternativa de lazer, cultura e arte; criando oportunidades de aprender novas técnicas; possibilitando o surgimento de novos talentos, afastando os jovens das situações de risco. Também busca-se fomentar o turismo através de um vínculo permanente entre a cidade de Cunha e a música caipira .

QUEM É?

Tarcísio Manuvéi

Tarcísio Manuvéi – músico que fará as oficinas de música caipira. Cantador, violeiro catireiro, incentivador da cultura popular e produtor Cultural.

Produtor executivo e artístico de vários projetos, apresentações musicais com Pena Branca, idealizador do projeto Mil Violas.

Agraciado com vários prêmios entre eles, Premio Rozini de Excelência da Viola Caipira, Prêmio Grande Otelo de Cultura, idealizador e produtor de vários encontros de violeiros realizados em Uberlândia.

Produtor musical do Grupo Viola de Nóis.

Júlio Cesar Santin

Júlio Cesar Santin – fez a avaliação e seleção das músicas inscritas.

Médico, músico e técnico em áudio,  Presidente da Associação Cultural Caipirapuru e um dos responsáveis pela criação do Encontro de Violeiros e Cantadores de Irapuru, hoje o CAIPIRAPURU.

Participou de vários trabalhos musicais entre eles gravações de Cds.

Lançou dois CDs; “Sentimento Matuto” em 2006 e Capim Dourado em 2013.

Jamil Scatena

Jamil Scatena – Jurado – Assessor do Gabinete do Secretário da Cultura do governo de São Paulo.

Músico percussionista atuou em vários grupos musicais desde 1979,  entre eles o  Bando Flor do Mato tendo  participado  por mais de 02 anos no Programa Viola minha Viola, e também realizando uma série de shows, acompanhando a imortal Inezita Barros.

Arnaldo Freitas

Arnaldo Freitas – Jurado – com sua técnica apurada e interpretação emocionante é considerado um dos principais violeiros da nova safra da música instrumental brasileira.

Foi vencedor da categoria “Melhor instrumentista de viola do festival Voa Viola” e de 2006 a 2015 foi violeiro do regional programa Viola minha viola, da Tv Cultura.

Nasceu e cresceu no interior de São Paulo, em fazendas de gado, de onde vem sua legítima raiz caipira.

Celso Silva

Celso Silva – Jurado – desenvolve seu trabalho exclusivamente como músico profissional desde 1996.

Natural de Guaratinguetá é professor de violão clássico e popular, cavaco, canto e teoria musical em geral. Como músico atua como violonista, cantor, compositor, arranjador.

Como compositor participou de vários festivais de música, tendo sido vencedor de vários deles.

É um dos idealizadores e organizadores do Festival da Diversidade Cultural e do movimento “Aliança Cultural” em Guaratinguetá.

Emerson Thomas

Emerson Thomas – Jurado – Iniciou sua carreira, aos 10 anos de idade, na Corporação Musical São Benedito, de Lagoinha (SP).

Profundo conhecedor da música caipira participou de festivais, fazendo dupla com seu pai e, também, concorreu com diversos arranjos.

Atualmente é professor de viola caipira e violão nas oficinas culturais do Estado de São Paulo, Maestro da Banda de Música Padre Chico, na cidade de Lagoinha-SP, além de trabalhos diversos na área de preservação da música caipira.

Lenir Boldrin

Lenir Boldrin – jurado – Coordenador Musical do Programa Sr.BRASIL, de Rolando Boldrin, na TV Cultura. Participou como jurado em diversos festivais pelo Brasil. É sócio fundador e Diretor de Projetos do Instituto Novo Tempo-Música e Cidadania, presidido pelo artista Ivan Lins, do qual fazem parte, também, Frejat, Dado-Villa Lobos, Fernanda Abreu e outros artistas, que juntos vão trabalhar a favor da música e da cidadania, lutando pelo ensino musical e inclusão social. Faz parte do grupo Gestor do “Programa Nacional de Formação Musical”, junto ao Ministério da Cultura, formado por Maestros e Produtores, que estuda a formatação de ensino musical em todo Brasil.

O Festival de Música Caipira Inédita de Cunha – “Canta Violeiro”, em sua sexta edição, pretende continuar incentivando nosso cancioneiro popular, para que criem novas canções e, despontem novos compositores, novas duplas e cantores solos da nossa música caipira de raiz. A realização do festival mostra aos jovens a importância de suas origens, desenvolvendo o gosto pelo instrumento “viola caipira” e fazendo com que o número de intérpretes, compositores e músicos, desse gênero, aumente.

O QUE É MÚSICA RAIZ?

Música sertaneja raiz (ou música caipira) é aquela cujo tema da letra narra tudo aquilo que é próprio do sertão, do universo rural, da vida do homem do campo, da lida com o gado e a roça, do folclore, da crença, da fé, do contato com a natureza, da melancolia e a solidão do caboclo cantadas em estilos simples tais como a toada, moda campeira, guarânia, cururu, querumana, cateretê, rasta-pé, chamamé, recortado, cipó-preto, pagode caipira, polca, batuque, corta-jaca e moda de viola.

ONDE FICAR?

Cunha é uma enorme hospedaria. Povo simpático, acolhedor, dono de magnífica capacidade de bem tratar a todos que por lá chegam.

Muitas pousadas, grande parte localizada a pouca distância do centro, oferecem bons serviços, incluindo café da manhã. Acesse o site da Cunhatur e veja onde ficar. Sem se esquecer de onde comer e onde passear, além de ver o Festival Canta Violeiro e saborear a truta do festival gastronômico.

(Fotos: Edna Maischberger e Marcos IVan, Canal39, exceto Emerson Thomas e Celso Silva (acervos pessoais)

CULTURA

CULTURA: Guaratinguetá realiza sua 1ª Festa Literária

Publicado

em

(Foto: Edna Maischberger, Canal39)

Organizada pela Secretaria Municipal de Cultura, a 1ª FLIG – Festa Literária de Guaratinguetá teve sua abertura e segue acontecendo, até domingo (26) nas instalações do Centro Turístico-Cultural Luiz Carvalho dos Santos, espaço multiuso, recentemente inaugurado após reforma da antiga estação ferroviária e fruto de projeto custeado com verbas ofertadas pelo DADETUR – Departamento de Apoio ao Desenvolvimento do Municípios Turísticos do Estado de São Paulo.

A abertura desse evento cultural teve a fala do sub-secretário Wellington Vilanova, o Tom, o qual saudou a todos os presentes, deu as boas vindas e destacou o valor da parceria e apoios recebidos para a realização do evento. Segundo Tom, que é o Curador da FLIG, o projeto foca a motivação para o público jovem ter gosto e envovimento com a Literatura como forma de maior sociabilização.

Aline Damásio, titular da pasta municipal da Cultural, também comentou a respeito da importância de se desenvolver esse tipo de ação, a qual aproxima o povo do hábito da leitura sadia e capaz de mudar completamente a vida de muitas pessoas. Referiu ter nascido, a FLIG, das ações similares levadas a efeito em Paraty (RJ), as quais concentram grande público e destaques da literatura. Damasio agradeceu a parceria indispensável da Secretaria de Educação e de outros setores da Administração Municipal e destacou a possibilidade de, com a inspiração que motivou a FLIG, a iniciativa privada também contribua para a realização de inúmeros outros projetos com o mesmo foco de elevar a cultura e a cidadania da Região.

Representando a Câmara de Vereadores de Guaratinguetá, Fabrício da Aeronáutica também cumprimentou os organizadores e público, principalmente aos jovens, por terem recebido esse projeto, já vitorioso, denominado FLIG.

Marcus Soliva, prefeito de Gauatinguetá, discorreu sobre o projeto da Feira Literária, citou ser, a Região do Vale do Paraíba, um verdadeiro manancial de grandes nomes da literatura, parabenizou aos organizadores e parceiros, explicou a importância do espaço que abriga a FLIG, após sua reforma, por trazer, para a cidade e Região, oportunidade da realização de grandes eventos destinados ao entretenimento e à cultura.

O primeiro momento cultural aconteceu com apresentação do músico Wellington Barros, o qual executou músicas do repertório da nossa MPB.

A FLIG conta com exposição e venda de livros, tem uma coleção de banners em homenagem a autores regionais, como Monteiro Lobato, Malba Tahan, Juó Bananeri, Miguel Reale, Plínio Salgado e Francisco de Assis Salgado, dentre outros. Um varal de poemas também é muito apreciado pelo público que desde o início já frequenta o evento.

Contando, ainda, com uma programação de palestras temáticas, a 1ª FLIG recebeu, para a palestra inaugural, o professor Severino Antonio, de Cachoeira Paulista. Doutor em Educação, dedica-se, há mais de 40 anos, ao ensino de Redação e Leitura, Filosofia e Literatura.

Junto com a 1ª FLIG houve o lançamento da Semana do Brincar, com atividades lúdicas e interativas envolvendo alunos da Rede Municipal de Ensino.

Clique e veja a programação completa da 1ª FLIG – Festa Literária de Guaratinguetá.

 

Continue Lendo

CULTURA

MÚSICA: Banda Sianinhas de SL Paraitinga lança Canárias e Pitassilgas

Publicado

em

(Divulgação)

Lançamento do CD “Canárias e Pintassilgas” – Sianinhas, de São Luiz do Paraitinga. Projeto conta com apoio do ProAC, programa da Secretaria da Cultura e Economia Criativa – Governo do Estado de São Paulo

Formada em 2014, Sianinhas vem construindo um trabalho inspirado na diversidade das manifestações culturais que abrilhantam o efervescente calendário festivo de São Luiz do Paraitinga. Ao longo desses anos, a banda elaborou um repertório que mescla músicas de autoria das integrantes às de compositores(as) luizenses, incluindo também canções de domínio público; bem como veio formatando a concepção visual e cênica do espetáculo “Canárias e Pintassilgas”, nome do projeto contemplado no edital ProAC 21/2018 para gravação e circulação de álbum inédito, da Secretaria da Cultura e Economia Criativa – Governo do Estado de São Paulo.

O CD Canárias e Pintassilgas é o resultado de uma vasta pesquisa em cultura popular e representa a importância da essência artística da banda, pois é nesse contexto que Sianinhas busca alinhavar um arremate original.

Assim como o nome remete à costura – visto que sianinha é adorno comumente utilizado nas vestimentas da população rural do interior do Brasil – os elementos sonoros que compõem esse trabalho também têm o intuito de unir e mesclar diversos gêneros musicais com ritmos e cantos tradicionais de congada, brão, jongo, dentre outros.

O primeiro álbum da banda foi gravado na zona rural de São Luiz do Paraitinga e produzido por André Magalhães, pesquisador de cultura tradicional e engenheiro de áudio especializado em gravações acústicas e teve como engenheiro de gravação, Filipe Magalhães.

Os arranjos ficaram por conta dos multi-instrumentistas luizenses: João Gaspar, Léo Couto, Alexandre Peixe e Thar, com contribuições das próprias integrantes e de alguns compositores e compositoras que cederam suas músicas para gravação. Já as vozes foram orquestradas pela Diretora Vocal do projeto: Elaine Marin. A concepção do espetáculo e Direção de Palco é da atriz e produtora, Lu Monteiro.

Quem fez o figurino foi o artista plástico Helder Santos e os cliques são de Rodolfo Magalhães. A arte do encarte foi elaborada pelo designer Fábio Gomes e pela artista visual Marcia Candido.

Dentre gravações inéditas está “Bandinha do Padre Leite”, de autoria do saudoso Elpídio dos Santos, que recebeu arranjo do filho, Negão dos Santos.

(Foto: Rodolfo Magalhães)

As canções têm nuances e cadências variadas, que vão desde os tradicionais baião e rastapé até o dobrado marcial, versando com a marcação rítmica da ciranda, do coco e das congadas. Além disso, o CD “Canárias e Pintassilgas” contou com participações mais do que especiais de mulheres determinantes na construção desse trabalho: Trio Sinhá Flor, formado Carolina Bahiense (triângulo, pandeiro, sanfona e voz), Cimara Fróis (sanfona, pandeiro e voz) e Talita del Collado (zabumba, percussão, violão, pífano e voz), que desenvolve, desde 2008 um trabalho de pesquisa e divulgação do Forró Tradicional e da cultura nordestina, evidenciando a participação feminina na música; “As Elpídias”, trio vocal do Grupo Paranga, que figurou no cenário da música brasileira nas décadas de 80 e 90 e atualmente é composto por Renata Marques, Nena Santos e Lia Marques; e Ana Maria Carvalho, natural de Cururupu (MA), residente em São José dos Campos, experimentou desde criança a vivência com os gêneros tradicionais brasileiros e recebeu, em 2018, o Prêmio de Culturas Populares do MINC, sendo reconhecida como importante mestra da cultura popular em atividade.

Entre os meses de junho e julho de 2019, a banda fará apresentações de lançamento do CD “Canárias e Pintassilgas” em seis cidades do Vale do Paraíba e Litoral Norte:

22/06, no Arraiá do Chi Pul Pul, em São Luiz do Paraitinga;

23/06, no Encontro de Congadas e Moçambiques, em Lagoinha;

29/06, na Festa de São Pedro Pescador, em Ubatuba;

05/07, no Arraial na Praça, em Socorro;

06/07, em Paraibuna;

e no dia 20/07, no Festival Acordes da Serra, em Cunha.

A banda Sianinhas é composta por: Adriana OSales, percussão e voz; Daiane Cristina, percussão; Darly Gonçalves, sopros e voz; Esther Fietz, contrabaixo, violoncelo e voz; Mara Rúbia, percussão e voz; Maria Clara Menecucci, percussão; e Patrícia Guimarães, violão, viola e voz. Página oficial: FACEBOOK.

(Darly Gonçalves / Assessora do projeto)

Continue Lendo

CULTURA

MÚSICA EM SAMPA: Casa das Caldeiras fecha ciclo 10 anos do Tododomingo Musical

Publicado

em

Fotos: Divulgação

Casa das Caldeiras encerra a programação do projeto TODODOMINGO MUSICAL EM SP – 10 anos com um domingo de Samba do Sol e roda de conversa com mediação da produtora cultural Inti Queiroz, com entrada gratuita.

Casa das Caldeiras realiza última edição do TODODOMINGO Musical em SP com Samba do Sol

Neste domingo, dia 26 de maio de 2019, entre 10h e 23h, a Casa das Caldeiras encerra com chave de ouro o programa TODODOMINGO MUSICAL EM SP com participação do Samba do Sol e roda de conversa com a produtora cultural Inti Queiroz.

Finalizando um ciclo de 10 anos com o projeto TODODOMINGO Musical em SP, a Casa das Caldeiras festeja 10 anos de trabalho continuado, acompanhando mudanças na cena cultural da cidade, resistindo com alegria e leveza, para seguir recebendo a população em toda sua diversidade com muito respeito.

“Só temos que agradecer aos coletivos e artistas parceiros, aos patrocinadores e ao público querido, que se deixaram envolver com afeto pelo nosso trabalho. O TODODOMINGO contribuiu para a promoção do patrimônio material e imaterial, difundindo diferentes vertentes artísticas e musicais com muita força” – celebra a equipe do projeto.

O domingo na Casa das Caldeiras começa com uma roda de conversa / oficina mediada pela produtora cultural e especialista em leis de incentivo à cultura Inti Queiroz sobre as perspectivas de incentivo à produção cultural brasileira nesses tempos de desmontes. “Como financiar seu projeto cultural em tempos tão difíceis?”. A ação acontece de 10h30 à 13h e será traçado um panorama das perspectivas futuras para o setor cultural, tanto em nível estadual, quanto municipal.

É em clima de festa a programação da última edição do TODODOMINGO segue com o Samba do Sol, que reúne uma série de atrações especiais e rodas de samba, a partir de 15h.

O TODODOMINGO Musical em SP, contemplado pelo edital PROAC-ICMS da Secretaria da Cultura do Governo do Estado de São Paulo, é um projeto da Associação Cultural Casa das Caldeiras que tem patrocínio das empresas 51 e Instituto LEO.

Com foco na produção cultural independente, no acesso à arte e à cultura, desde o seu surgimento o projeto acolheu produtores das mais diversas linguagens que ocuparam um dos principais patrimônios históricos da cidade de São Paulo com arte e diversidade.

Muitos foram os coletivos e produtores acolhidos pelo TODODOMINGO, alguns construíram um percurso de crescimento a partir da sua passagem pelo projeto.

Após dez anos de realização, contribuindo para a promoção do patrimônio histórico e de vertentes artísticas e musicais de forma dinâmica e criativa, o projeto TODODOMINGO Musical em SP encerra um ciclo e cede espaço para que a Casa das Caldeiras movimente os domingos com novos e mais férteis horizontes. A equipe do projeto já prevê lançamentos futuros com novos formatos de atividades, sempre acolhendo com afeto e cuidado o público e os artistas.

“É um tempo de reformular as ideias, vontades e formatos, que com certeza vão dar ainda mais alegrias a população que se inspira do espaço da Casa das Caldeiras e de sua dinâmica artística e cultural” – explicam os responsáveis pelo projeto TODODOMINGO Musical em SP.

Acompanhe as novidades da Casa das Caldeiras

TODODOMINGO MUSICAL EM SP recebe Samba do Sol

*Última edição do projeto TODODOMINGO MUSICAL EM SP

Quando: 26 de maio de 2019 – Horário: 10h às 23h – Entrada Gratuita – Classificação Livre

Programação:

Horário: 10h30 às 13h00 – Roda de conversa / oficina: “Como financiar seu projeto cultural em tempos tão difíceis?”. Sobre as perspectivas de incentivo à produção cultural brasileira nesses tempos de desmontes.. Será traçado um panorama das perspectivas futuras para o setor cultural, tanto em nível estadual, quanto municipal.

Vagas: 30 – Inscrições antecipadas pelo email: cultural@casadascaldeiras.com.br

Grátis

Mediação: Inti Queiroz – linguista, filóloga e produtora cultural. Mestre e Doutoranda na FFLCH – USP com pesquisa sobre o financiamento à cultura no Brasil contemporâneo. Atualmente é professora dos cursos de especialização e extensão em Gestão Cultural  na PUC Cogeae – SP. Professora residente no Espaço Cultura e Mercado desde 2012. Consultora e gestora de projetos culturais de diversas linguagens artístico-culturais desde 2002. Criadora, curadora e produtora do Festival PIB – Produto instrumental Bruto desde 2007. Horário de 15h00 às 23h00 – Samba do Sol

Onde: Casa das Caldeiras – Endereço: Av. Francisco Matarazzo, 2000 – Água Branca, São Paulo – SP, 05001-200 – Informações – (11) 3873-6696

Capacidade: 1200 pessoas – Não possui estacionamento

(Assessoria de Imprensa: Luciana Gandelini)

Continue Lendo

Em Alta

Hospedado por ServerPro