Conecte-se agora
acesse vila rica

CULTURA

LORENA: Mestre Bira recebe prêmio Selma Coco/2018

Publicado

em

Geraldo Ubirajara da Silva, conhecido como Mestre Bira, é reconhecido pelo prêmio nacional Selma Coco, 2018, na 6ª edição do Prêmio Culturas Populares, a maior premiação da cultura popular realizada pelo MinC em termos de valores e número de premiados.

Mestre Bira recebeu o título de herdeiro cultural de seu pai, Mestre João Roque da Silva.

Ambos são figuras importantes para a Região. Mestre Bira dedica a vida em defesa da cultura brasileira e leva o nome de Lorena por diversas regiões do Brasil, mantém viva as tradições da cultura afrobrasileira.

Mestre Bira foi reconhecido no prêmio Herdeiros de Mestres e Mestras In Memoriam – região sudeste. Entre outros projetos reconhecidos, 35 de herdeiros de mestres já falecidos (in memoriam) foram contemplados.

Na região sudeste Mestre Bira foi classificado em 3º lugar com expressiva pontuação de 92,5.

Após o falecimento de seu pai, Mestre João Roque da Silva, o grupo passou a ter como líder o Mestre Bira (Geraldo Ubirajara da Silva) que desde a fundação acompanhava seu pai e entendia a importância da manutenção desta tradição da cultura do Moçambique de São Benedito.

O grupo surgiu na década de 1980, da preocupação do Mestre João Roque da Silva em dar seguimento às tradições que ele, Mestre Bira, conheceu durante sua infância, desde seus 7 anos na cidade de Cunha. Mudou-se para Lorena, já casado com Luiza Helena da Silva, que até a atualidade acompanhava os passos do grupo, convidou para conhecer de nome o Sr. Benedito José Barbosa, seu conterrâneo, que por acaso do destino estava também residindo em Lorena.

A fama do Sr. Benedito José, mestre de linha na sua cidade de origem, chamou a atenção do Mestre João Roque, que uniu forças para a então fundação do Grupo Folclórico Religioso de Moçambique de São Benedito no ano de 1981.

A partir daí uniram suas famílias e convidaram outros que também entendiam a importância desta devoção e tradição. Desde então, o grupo ganhou força e relevância histórica-regional, mas não ficou só em sua localidade, em pouco tempo foram reconhecidos como órgão de utilidade pública do município de Lorena e, em seguida, também do estado de São Paulo.

O grupo Moçambique de São Benedito ao longo dos anos participou de importantes concursos e foi contemplado com outros prêmios e honrarias e nunca deixou de lutar e se empenhar para que mesmo nos momentos de dificuldade, as danças fossem realizadas. Fotos: Claudio Ribeiro

Grande parceiro e sempre presente nas festas culturais da nossa cidade de Lorena, abrilhantando os eventos com as apresentações do grupo de Moçambique de São Benedito.

O grupo Moçambique de São Benedito de Lorena, inclusive, foi incentivo para a fundação de outros grupos regionais.

Após a morte do Mestre João Roque da Silva e do Sr. Benedito José Barbosa, o comando do Grupo passou para a mãos dos seus filhos Mestre Bira (Geraldo Ubirajara da Silva) e Guiomar Aparecida Pires da Silva.

A história do grupo não só uniu essas famílias em torno da tradição, como também em laços matrimoniais os filhos destes dois mestres.

Hoje o grupo se encontra em um novo momento, mantém viva as tradições deixadas por eles através da música, da dança e das histórias.

Com a preocupação e o empenho em garantir a continuidade deste legado. Hoje os filhos destes e filhos das demais famílias dos integrantes, também fazem parte da história e estrutura do grupo.

Parabéns a todos os membros do Grupo Moçambique de Lorena, por nos representar, pela garra e por manter viva as tradições culturais na nossa cidade e fora dela.

Fotos: Claudio Ribeiro  /  Fonte: Site oficial de Lorena

Continue Lendo
Propaganda acesse anuncie ""
Clique para comentar

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

CULTURA

CULTURA: Importante curso de interpretação para TV e Cinema acontece em SJC

Publicado

em

Alunos em exercício (Foto: Paul Constantinides)

Ministrado pelo ator Raphael Carlos, o curso de Interpretação para TV e Cinema acontecerá a partir deste mês na Escola Teatro Metamorphose.

Formado em Artes Cênicas pela EAD – Escola de Artes Dramáticas da USP-SP, o professor Raphael Carlos ministra neste semestre o curso Interpretação para TV e Cinema na Escola de Teatro Metamorphose, em São José dos Campos. Com experiência em teatro, televisão e cinema, Rapha Carlos participou de montagens teatrais, publicidade e curta-metragens como o premiado “Daisy”.

O Curso de Interpretação para TV e Cinema é continuação da primeira turma formada por Raphael Carlos no segundo semestre do ano passado, que teve sua conclusão em dezembro com uma Mostra de curta-metragens realizada por diversos trabalhos de seus alunos.

(Divulgação)

Utilizando métodos como Método Sanford Meisner de “viver verdadeiramente sob circunstâncias, imaginárias”, o curso possui em seu conteúdo programático atividades como Exercício de interpretação para câmera, Experimento de Cinema através de cenas curtas, Jogos de Cena baseados no métodos de diferentes diretores renomados, Aquecimento e Expressão corporal, Processo da construção da personagem para o cinema, Roteiro e Improvisação.

Raphael Carlos, no destaque, e alunos em exercícios (Divulgação)

Através do Curso de Interpretação para TV e Cinema, teoria e prática se unem em um ambiente descontraído onde é possível trocar experiências, criar novas vivências e descobrir o potencial de cada aluno, tenha este experiência em atuação ou não.

Além disso, o curso dá a oportunidade dos alunos se familiarizarem com equipamentos avançados de televisão e cinema. Como parte da conclusão de curso, os alunos preparam em grupos curta-metragens para colocar em prática todo o aprendizado e iniciar seu portfólio profissional. “O Rapha tem muita experiência e ele passa tudo que sabe, deixando os alunos muito a vontade. Iniciei o curso sem pretensão e quando percebi foi uma descoberta muito grande sobre mim mesma. É muito gratificante.”,  afirmam as alunas Cristiana Menegazzo e Silvia Soares.

Para saber detalhes sobre inscrição e matrícula, acesse:

Instagram: @RAPHAtvcinema | https://www.instagram.com/RAPHAtvcinema/

SERVIÇO:

Curso de Interpretação para TV e Cinema

Quando?

Quartas-feiras das 19h às 22h30

Início do curso: março de 2019

Onde?

Escola de Teatro Metamorphose

Rua José Pedro de Carvalho Filho, 80

Vila Ema – São José dos Campos

Inscrições e mais informações: (11) 99673-5917

(Revoada Assessoria de Comunicação)

Continue Lendo

CULTURA

MÚSICA SACRA: Monsenhor Marco Frisina visita Santuário de Aparecida nesta semana

Publicado

em

Divulgação

Compositor de renome internacional, sacerdote italiano vai apresentar hino escrito por ele em homenagem à Padroeira do Brasil

(Por Victor Hugo Barros) O fundador e diretor do Coro della Diocesi di Roma e maestro da Pontificia Capella Musicale Lateranense, monsenhor Marco Frisina, visita o Santuário Nacional na próxima quinta-feira (21). O religioso, responsável pela composição de músicas e melodias utilizadas nas celebrações presididas pelo Papa, no Vaticano, visita Aparecida (SP) para apresentar uma composição dele dedicada à Nossa Senhora Aparecida. A música será executada durante a missa das 18h, que será presidida pelo sacerdote na Basílica Nacional.

Esta é a primeira vez que o monsenhor italiano visita o Brasil. Entretanto, mesmo em Roma, já ouvia falar sobre o Santuário de Aparecida e a devoção à Padroeira do Brasil, o que o motivou a escrever a letra do “Hino a Nossa Senhora Aparecida”, lançado por ele no último ano.

“O objetivo primeiro da visita ao Santuário é me colocar como peregrino, como devoto de Nossa Senhora Aparecida. Na oportunidade, também gostaria de oferecer à Nossa Senhora Aparecida o hino que compus para ela”, explica o monsenhor.

Faltando poucos dias para a visita ao maior templo mariano do mundo,o sacerdote não esconde sua expectativa. “Estou no Brasil desde o dia oito de março. Tenho vivido momentos de formação, música e oração por onde passei, e, em Aparecida não será diferente. Afinal de contas, o Santuário Nacional é um lugar caro para todos nós, onde está guardada a Imagem de Nossa Senhora Aparecida”, relata.

Além de rezar diante da Imagem e de conhecer a Basílica da Padroeira do Brasil, o sacerdote ainda preside a missa das 18h de quinta-feira. A celebração, que será realizada em italiano e português, contará com a execução de músicas compostas pelo monsenhor, cantadas pelo Coral do Santuário Nacional.

A visita do religioso ao Brasil contempla uma série de congressos, apresentações e celebrações litúrgicas que acontecem desde o dia 08 de março. Além de Aparecida, o sacerdote já passou pelas cidades de São Paulo (SP), Campinas (SP) e Rio de Janeiro (RJ).

(Imprensa Santuário Nacional)

Continue Lendo

CULTURA

MÚSICA: João Carlos Martins estreia Orquestrando o Brasil em Taubaté (contém vídeo)

Publicado

em

João Carlos Martins conversa com o público em Taubaté (Foto: Edna Maischberger, Canal39)

Lembrando Heitor Villa Lobos, com seu desejo de unir o Brasil em forma de coração, por meio da Música, o consagrado pianista e agora maestro João Carlos Martins comandou a estreia da série de concertos dentro do Projeto Orquestrando o Brasil, na última sexta-feira, 08 de março, na cidade de Taubaté, SP.

Apesar do intenso temporal havido horas antes do início do espetáculo, o imponente e bem montado Teatro Sedes recebeu público total, ocupando as 1.400 poltronas e contou, ainda, com muita gente em pé.

Participaram do concerto: a Banda de Concerto da EMA Fêgo Camargo, Banda de Música do Senai, Orquestra Sinfônica Jovem de Taubaté, Coral Juvenil Meninas de Campos do Jordão, Camerata Orfeo, Ópera Studio do Vale, Coral da ACVAP e Coro Contraponto.

Martins apresentou os grupos, os quais foram regidos por seus maestros e, para o grande final, reuniu a todos e regeu três peças: a marcha de John Philip Souza “Stars and stripes forever”, a Cantata 147 de Johann Sebastian Bach “Jesus, Alegria dos homens” e o “Trem das onze “, de Adoniran Barbosa. O bis foi inusitado: algumas notas de “O bife”, executadas ao piano, seu mais fiel parceiro de carreira.

O Projeto Orquestrando o Brasil, conforme o próprio maestro João Carlos Martins informou, conta com mais de 200 orquestras e bandas parceiras, totalizando – já – mais de oito mil músicos e seu objetivo é atingir cinco vezes mais, focando, realmente, “fechar o Brasil em forma de coração, por meio da Música” e homenageando Villa Lobos. Para ele, “será uma forma tornar a música clássica mais democrática, ajudando mais pessoas a se profissionalizarem, ampliando sua sua atuação e conquistando novos públicos”.

Orquestrando o Brasil é fruto do ideal de Martins e conta com parceria da Fundação Banco do Brasil, SESI/SP e FIESP.

Em conversa com a reportagem do Canal39, João Carlos Martins destacou a importância de Taubaté como local de estreia do Orquestrando o Brasil. O maestro afirmou que Taubaté é uma cidade que “cultiva as Artes, cultiva a Cultura e é um orgulho Taubaté ser protagonista do primeiro concerto do Orquestrando o Brasil”. A respeito do ensino da Música nas escolas públicas, o idealizador do Projeto garantiu: “se todos os artistas de ponta, no Brasil, fizerem um trabalho baseado no idealismo, para que a Música esteja nas escolas, e as Artes, você tenha a certeza que o Brasil é um dos países mais musicais do mundo. Eu não tenho a mínima dúvida”.

Saiba mais sobre o Orquestrando o Brasil, clicando aqui

Algumas fotos do evento, com clics de Edna Maischberger e Marcos Ivan, Canal39

Continue Lendo
Propaganda acesse REVISTA29
Propaganda Enter ad code here

Em Alta

Hospedado por ServerPro